Eu nunca pensei que esse dia fosse chegar, mas ele chegou e sinto que preciso fazer isso. Não foi uma decisão fácil, fiquei tentando adiar o máximo possível, mas infelizmente não consegui. Começo pedindo desculpas por fazer isso sem aviso prévio, não era minha intenção, mas simplesmente não consigo! O bloqueio não vai embora e não é um bloqueio qualquer, estou passando por alguns problemas e estou em conflito comigo mesma. Sou uma garota de 19 anos e não faço ideia do que fazer da minha vida, nada acontece e por mais que eu tente, sempre acaba do mesmo jeito. No meio disso tudo surgem as cobranças das pessoas e por mais que elas tentem disfarçar, estão dizendo: "Garota, faça alguma coisa da sua vida!" Eu também me cobro, estou cansada de sentir como se estivesse fadada ao fracasso. Cansada de pensar na minha vida e sentir que tudo é uma grande conspiração para que eu quebre minha cara de novo e de novo. Cansada de decepcionar as pessoas! Eu não posso e nem quero decepcionar ninguém, por isso estou me afastando. Não quero que pensem que não me importo, eu me importo, mas não estou conseguindo escrever e eu amo fazer isso, amo mais do que qualquer outra coisa no mundo! Não quero fazer nada de qualquer jeito, nada menos do que perfeito, vocês merecem algo realmente bom. Quero que saibam que não é um hiatus permanente, vou tirar esse tempinho para estudar e correr atrás de algo para o futuro. Voltarei assim que for capaz de escrever algo novamente, quando sentir que esse fardo está menos pesado e... Acho que é isso, me desejem sorte! Amo muito vocês e arrisco dizer que já sinto saudade. Com amor, Jéssie.

25/01/2017

Broken Frame: Capítulo 13 • Unsteady

não tive tempo de revisar, desculpem qualquer erro ☺


SUÍÇA, 04:35 P.M

          O desembarque no aeroporto foi tranquilo, eles chegaram de tarde e o carro que os levaria para casa já estava no estacionamento do aeroporto. Em dois anos, um cuidador de total confiança foi contratado para cuidar da casa e dos carros da família. O ar frio bateu levemente contra o rosto de Samanta, os pequenos flocos de neve que caiam deixaram a garotinha encantada com o pouco que havia visto! Sabrina segurava uma das mãos dela. Todos estavam bem agasalhados, mas ainda sim era possível sentir frio. — Você tem certeza que vai dirigir? — Demi perguntou enquanto ajudava Joseph a guardar as malas no carro. 
— Eu estou bem. — Sabrina olhava os dois pelo vidro do carro, Joe percebeu e fez um sinal para Demi.  
— Tudo bem, mas qualquer coisa me avise. — Ele assentiu. 

— Acho que você trouxe muita bagagem. — Ele comentou ao guardar a mala dela, estava muito pesada! — É só um final de semana. 
— Vamos ver quem estará implorando por uma meia grossa.
— Só um dos meus pés precisa de meia, querida! — Ele gargalhou, foi possível ver uma fumaça branca se formar e desaparecer rapidamente. — Vamos ver quem estará implorando por ajuda para fechar essa mala novamente. — Joe piscou e fechou o porta malas. Demi deu-lhe um tapa no ombro e riu baixinho também; juntos eles adentraram no carro. 

— Vocês estão prontas crianças? — Joe imitou a voz de marujo. 
— ESTAMOS CAPITÃO! — Elas gritaram eufóricas e Joe deu partida na carro. 
— Uhul, pé na estrada! — Sabrina bateu palmas, adorava neve. Ela tinha boas lembranças dos invernos que havia passado na Suíça e desejava que os irmãos pudessem curtir tanto quanto ela. 

          Samuel estava mais contido, apesar de demonstrar-se animado para as irmãs, ele estava com medo de estar novamente naquele lugar. Enquanto Samanta dormia no avião, Sabrina e ele haviam conversado. 
— Você não tem o que temer, Sam.
— Tem certeza? É tão estranho voltar depois de tanto tempo, isso até me faz pensar...

— Pensar?
— Papai e mamãe, como acha que eles estão?
— Acho que estão bem. Você viu como eles estavam na festa da Samanta? Eles se amam demais, Samuel. 
— Eu sei que sim e é por isso que estamos aqui, mas... tenho muito medo. — Sabrina o abraçou e beijou-lhe a testa. 
— Oh meu pequeno, está tudo bem.

— E se algo ruim acontecer, nós vamos dar um jeito. O.k? Sempre damos. Vamos enfrentar o que for como uma família!
— Obrigado. — Ele sorriu e beijou-lhe uma das bochechas

— Samuel? — Ele despertou de seus pensamentos ao ouvir Samanta chamar por ele. — Ouviu o que acabei de dizer?
— Não, me desculpe. O que disse?
— Sinto falta do Buddy.
— Acho que todos nós sentimos. — Samuel suspirou. 
— Eu também queria traze-lo, mas ele é apenas um filhote e ainda precisa de muitos cuidados. — Joe disse aos filhos — Juro que na próxima vez iremos trazer ele. O.k? Não se preocupem, vovó cuidara muito bem dele. — As crianças assentiram prontamente. 

           O caminho até a casa foi tranquilo e apesar de estar nevando bastante, Joseph não teve dificuldade de dirigir pelas estradas até chegar ao lago! O caseiro já esperava por eles, abriu o portão, esperou que o carro adentrasse e fechou o mesmo. Depois de estacionar, Joseph desceu, conversou brevemente com o rapaz e em seguida o dispensou dizendo o dia que ele deveria voltar. — Sejam bem vindos! — Joe abriu a porta do carro e as crianças desceram. Ele contornou o carro, abriu a porta para Demi e estendeu uma das mãos para ela. — Está pronta? — Ela segurou na mão dele, assentiu e desceu. Imediatamente seu pé afundou um pouquinho na neve, era uma sensação tão gostosa. 
— Fico feliz que estejamos de volta... juntos.
— Sim, juntos— Joe também sorriu. 

— AAAAAAH! — O grito repentino de Sabrina assustou o casal. Eles correram imediatamente para a entrada e encontraram os filhos fazendo uma verdadeira guerra de neve. — Não vale no cabelo, Samuel! — Sabrina bufou irritada e acertou o irmão. Samanta estava deitada numa grande camada de neve e fazia um lindo anjo. 
— Crianças, não é hora de brincar. — Demi cruzou os braços e arqueou uma das sobrancelhas. 
— Sério? — Samuel perguntou com um sorriso travesso nos lábios. Demi mordeu o lábio e virou-se lentamente para Joseph... ele já tinha uma bola de neve em sua mão!

— Ah não, você não vai... — Joe aproximou-se dela, sorria tentado em acertar aquela bolinha nela, mas não fez isso. 
— Você está certa, precisamos desfazer as malas e nos instalar primeiro. Vamos? — As crianças resmungaram, mas acabaram concordando. 

          Joseph não conseguia descrever em palavras o que sentia, aquela casa lhe trazia boas e más lembranças! Balançou sua cabeça enquanto subia os degraus da escada e disse para si mesmo: — Guarde o que foi bom, o restante não importa mais. — Ele abriu a porta do quarto, olhou em volta e adentrou. 
— É a primeira vez que ficaremos juntos nesse quarto. — Joe virou-se e sorriu para Demi, ela parecia estar animada. — Como se sente? 
— Estar de volta é estranho, admito. — Ele fez uma careta — Agora imagino como deve ter sido pra você estar aqui outra vez e não me ter por perto. 

— Sério?
— Sim, você estando aqui já faz com que eu me sinta melhor.
— Eu pude usar minha frustração para protagonizar um bom clipe, muito mais que frustração... mas foi produtivo! É uma boa forma de lidar com esses sentimentos.
— Estou ansioso para ver o trabalho que fez por aqui. — Ele disse baixinho e aproximou-se beijando-lhe a testa. 

— Papai. — Samanta apareceu na porta e sorriu para eles. 
— Oi amor, já conseguiu encontrar um bom quarto?
— São tantos, pensei em ficar com Samuel.
— Ele está de acordo?
— Sim. — Novamente ela sorriu. 
— Certo.

— Quando vai me mostrar o restante da casa?
— Pode ser depois que eu terminar de arrumar as coisas? — Ela assentiu — O.k, então assim que terminar te chamo. 
— O.k. — Ela saiu saltitando e Joe riu. 
— Ela está radiante! — Comentou sorrindo para Demi. Ela estava olhando para ele de uma forma diferente, os olhos dela brilhavam! — O que foi? — Perguntou ficando levemente corado. 

— Eu li sua entrevista.
— O que achou? — Joe perguntou enquanto desfazia sua mala e guardava as roupas numa comoda. Demi havia levado tanta roupa que ela provavelmente encheria o closet!
— É possível ama-lo ainda mais? — Ele olhou para ela novamente e arqueou uma das sobrancelhas. — Você foi incrível!
— Obrigado, querida. — Joe sorriu — Mas você falou como se fosse algo tão...

— Você é tão bom fazendo isso, como consegue?
— É simples, sou apenas eu mesmo e digo sempre o que quero dizer.
— Como pode dizer sempre o que quer sem ter problemas com isso?
— Se você souber separar algumas coisas nunca terá problemas com isso, Demi. — Joe continuou arrumando suas roupas, ela sentou-se na cama para observa-lo. — Tenha em mente que algumas coisas você deve tratar comigo antes de fazer, afinal somos casados e nossas ações refletem na vida um do outro. — Ele olhou para ela através de seu ombro e pode vê-la ficar um pouco desconfortável. — Eu sou honesto com você e com as pessoas de um modo geral, então conquistei essa liberdade. Você sente que não é livre para dizer ou fazer seu trabalho? 
— Não é nada disso, Joseph. — Ela riu desconfortavelmente, mas riu! Joe cerrou o punho atrás das costas, como ela podia não contar absolutamente nada? — Eu fiquei surpresa com sua entrevista, você é tão cativante e isso só me fez pensar no quanto eu tenho sorte por ter você. — Joe olhou fixamente para ela e sentiu um frio angustiante percorrer sua espinha! Ela estava refletindo aquela velha Demetria de antes, escondendo coisas e fazendo declarações de amor para aliviar aquela pontada de culpa. Será que ela não enxergava isso? É claro que não! Os pensamentos dispararam, sua mente ficou inquieta e ele só pensava na desgraça acontecendo outra vez. — Disse alguma coisa errada? — Joe assustou-se, agora ela estava bem na sua frente e segurava seu rosto. 

— Você que está me surpreendendo, sabia? — Abraçou-lhe fortemente e suspirou — Eu te amo. — Ele beijou a testa dela carinhosamente.
— Eu também te amo. — Demi respondeu quando ele partiu o abraço, sorriu e afastou-se novamente para desfazer sua mala. Como Joe havia terminado, ele saiu e como prometido foi mostrar tudo para a filha. 

          Andar pela casa e falar com Samanta estava sendo ótimo para espairecer, Joseph conseguiu aquietar seus pensamentos. Já havia mostrado os dois andares, agora estava caminhando em direção ao seu bom e velho estúdio. O lugar estava do mesmo jeitinho que ele havia deixado, aquela área era restrita, mas como ficou dois anos fora... alguém tinha que limpar, né? Joseph não tinha certeza se manteria tudo daquele mesmo jeito, parecia tudo tão triste. — É um estúdio! — Ele sorriu e assentiu. 
— Sim é meu estúdio particular. — Samanta sentou-se no sofá e sorriu. Ela esperava que ele fizesse o mesmo e contasse mais sobre aquele lugar! Joe sentou-se ao lado dela. — É aqui que eu compus grande parte das minhas músicas, na verdade é onde guardo todas as minhas composições!
— Todas?
— A grande maioria sim.
— Que legal! Posso ver?
— Não acho que seja uma boa ideia agora, mas deixo você entrar lá e cantar, se quiser! — Joe riu e Samanta o encarrou por um momento antes de rir. 

— Eu vou gostar bastante, mas não agora.
— Tudo bem, teremos bastante tempo para fazer isso. — Samanta assentiu. 

— Esse lugar tem mais histórias? Qual foi a última coisa mais marcante que aconteceu aqui?
— Sim, Sabrina me contou que estava namorando. — Eles riram juntos novamente. 
— Sério?
— Sim, ela estava sentada exatamente onde você está agora e eu estava sentado naquela cadeira. Foi marcante!

— O que sentiu?
— Eu fiquei surpreso, ela tinha 15 anos.
— Uau! — Samanta parecia surpresa. 
— Não teremos uma conversa assim tão cedo ou teremos? — Ele arqueou uma das sobrancelhas e Samanta arregalou os olhos. 

— PAPAI! — Ela o repreendeu ficando corada e rindo. — Eu só tenho sete anos e os meninos são tão... — Samanta fez uma careta e mostrou a língua. — Entende?
— Entendo. — Joe riu. 
— Mas não se preocupe, Samuel é ótimo em ficar de olho.
— Ficar de olho?
— É o que ele sempre me diz quando Edward está por perto, estou de olho em vocês. — Ela imitou o gesto do irmão e Joe riu, não sabia que Sam fazia isso. 

— Eu sei que sim, só estava brincando. — Joe riu — Mas espero que sua opinião sobre os garotos continue assim até você ter uns 20 anos! — Ele abraçou a filha e encheu o rosto dela de beijos. 
— Papai! — Ela riu novamente. 

          Por ultimo, Joseph mostrou onde guardava os prêmios que havia ganhado e aproveitou para acrescentar mais alguns em sua estante. Samanta perguntou sobre cada um, isso rendeu mais algumas histórias e altas gargalhadas! Estava nevando ainda mais quando eles voltaram para dentro, Joe achou melhor deixar as brincadeiras para depois e foi ajudar Demetria com o jantar.
— Hum... o cheiro está muito bom! O que está fazendo? — Joe abraçou Demi por trás e apoiou sua cabeça no ombro dela para espiar o que tinha na panela. 
— Estou fazendo sopa de legumes, vi que tinha pão no armário e pensei que seria bom para nos aquecermos um pouquinho.
— Tenho certeza de que ficara uma delicia! — Demi sorriu — Quer ajuda?
— Sim, coloque a carne para cozinhar na outra panela.
— O.k. — Ele afastou-se e fez o que ela pediu. 

— Vejo que está nevando ainda mais lá fora. — Ela fez uma careta. 
— Sim, parece que as brincadeiras ficara para amanhã.
— É bom que descansaremos bem e estaremos bem dispostos para brincar.
— Diga isso para as três crianças emburradas na sala. — Demi riu e virou-se para olha-lo. 

— Ainda podemos fazer algo divertido, temos filmes e jogos de sobra para passar o tempo.
— Eu voto pelos filmes! — Sabrina adentrou na cozinha e sorriu para eles. 
— O que a mocinha está aprontando? — Demi perguntou sorrindo. 
— Nada, mas vim perguntar como posso aumentar um pouco mais o ar quente. Está frio!
— Deixa que eu mexo, não devemos exagerar muito na temperatura. — Joe bagunçou os cabelos dela e Sabrina riu. — Enquanto isso ajude sua mãe, o.k? 
— O.k. — Ele sorriu e saiu. 

          Joseph caminhou até a sala para pegar o controle do ar condicionado da casa, mas parou ao ver Samanta e Samuel sentados perto da lareira que estava acessa. Eles conversavam baixinho, Joe não conseguia ouvir, mas lembrou-se da ultima vez que ele e Demi estiveram ali. — Você está tão quieto desde que chegamos. 
— Só estou pensando.
— Você não queria estar aqui, né?
— Não é nada disso, Sammy.

— Então me fala, por favor. — Ela suspirou — Eu odeio te ver assim!
— São as lembranças que ficam me rondando, desculpe estar assim. — Samuel encostou sua cabeça no ombro dela e suspirou. 
— Tudo bem, vai passar. — Ela segurou uma das mãos dele e sorriu. — Você terá boas lembranças aqui e vai acabar se esquecendo do que é ruim. 
— Espero que sim.
— Vai ser, você vai ver!

— Crianças. — Os dois sobressaltaram de susto e Joe riu. — Tomem cuidado, o.k? Sabrina já falou pra mim dar uma aquecida na casa, então não precisam ficar muito perto. — Eles assentiram prontamente e se afastaram um pouco. — Prontinho. — Joe disse assim que mexeu no controle. 
— O que estão fazendo na cozinha? O cheiro está bom! — Samanta perguntou. 
— Teremos sopa de legumes e carne cozida.
— Parece bom. — Samuel comentou para não ficar de fora da conversa.
— Sim, quando estiver tudo pronto eu chamo. — Joe sorriu para eles — Se quiserem podem ir adiantando o banho de vocês, só não abusem muito da água quente!
— Eu vou agora, não demoro. — Samuel avisou a irmã, olhou para Joe e saiu.

— Sabe o que deu nele? — Samanta ficou pensativa por alguns instantes e suspirou.
— Sam só me disse algo sobre lembranças ruins e mais nada.
— Oh sim, entendi.
— Se soubesse que ele ficaria assim, não teria insistido tanto nessa viagem. — Samanta disse baixinho, ela estava triste. Samuel escondia muita coisa dela!
— Não diga isso, garanto que ele vai ficar bem.

— Jura?
— Juro pra você. Falarei com ele mais tarde, não me deixe esquecer! O.k? — Samanta assentiu com um sorriso breve nos lábios.

— Certo. Quer que eu fique ou que chame Sabrina?
— Fica. — Joe sorriu e sentou-se ao lado dela.

          Samuel não demorou muito no banho e logo desceu. Ele viu Samanta comentar algo com o pai antes de sair da sala e deixa-los sozinhos. O jeito que ela olhou para ele já entregou tudo! — Vamos ter uma conversa, certo? — O garotinho riu e sentou-se ao lado do pai.
— Como adivinhou?
— O jeito que ela olhou pra mim, papai. Samanta é transparente. — Samuel deu de ombros.

— O que está te incomodando tanto?
— As coisas não estavam boas da ultima vez que estivemos aqui e é estranho estar de volta, acabo me lembrando de coisas que achava ter esquecido.
— Nós não estamos desmoronando novamente, Samuel. — Joe passou um dos braços em volta dos ombros do garoto — Você não deve se preocupar tanto, o.k? Você é apenas uma criança.
— O senhor sabe que desde sempre segurei a barra, agora é difícil de largar! — Riu e fungou um pouco.
— Vai largar sim, não quero vê-lo triste por conta de coisas que já passaram ou por qualquer outro motivo. — Samuel sorriu e recebeu um beijo em sua testa. — Você merece uma infância normal e longe de problemas, farei o possível para que tudo seja melhor.

— Eu sou Samuel Carpenter, estou longe de ser normal! — O garotinho riu — Estou brincando, não precisa se esforçar mais do que já se esforça. — Joe sorriu, ele realmente se esforçava para ter uma boa convivência com o filho. Só de lembrar que um dia ele duvidou da paternidade do garoto... sentia vergonha! Eles tinham muito em comum. — Eu te amo.
— Eu também te amo, filho. — Joseph sorriu novamente.

          Assim que Samanta desceu, todos se reuniram na sala de refeições para jantar. Samuel estava  melhor, conversou e até riu das piadas do pai! Demetria observava o marido, os filhos e suspirou pesadamente... logo cairia na estrada e não teria tanto tempo para ficar com eles. Seu coração apertou no peito, ela teve uma sensação estranha e suspirou pesadamente! O dia havia sido agitado e ela só precisava descansar, apenas isso. Massageou as têmporas por alguns segundos, estava de olhos fechados e quando os abriu, Joe estava em seu campo de visão e olhava para ela. — Está tudo bem? — Ele perguntou assim que as crianças saíram da sala.
— Sim, só estou cansada.
— Pode subir, eu dou conta da louça.
— Ainda está cedo e prometemos assistir uns filmes.
— Um filme, mas suba e tome um banho quente. O.k? Tenho certeza de que vai te ajudar a relaxar. — Sempre prestativo, ela sorriu.
— O.k, farei isso. — Demi levantou-se e lhe deu um selinho.

— Não tente me convencer, não me olhe assim... — Ela riu.
— Por favor, suba pra tomar banho comigo.
— Eu adoraria, mas alguém precisa fazer o trabalho sujo e sou eu. — Demi fez uma careta e Joe afagou-lhe os cabelos. — Vai lá, amor.
— Você sabe como apelar, sabia? — Ela riu e acabou indo sozinha tomar banho.

          Joseph lavou rapidamente os pratos, secou suas mãos e resolveu dar uma olhadinha nas crianças. Elas já estavam sentadas no sofá com suas mantas e assistiam desenhos enquanto eles não apareciam para escolher um filme. Joe encontrou um lugarzinho para si e ficou esperando Demetria juntamente com os filhos. Ela apareceu alguns minutos depois, ela vestia um dos moletons dele e parecia estar envergonhada! — Eu conheço essa blusa. — Arqueou uma das sobrancelhas.
— É algo bem engraçado, mas...
— Você ficou tão empolgada em trazer suas roupas de inverno que esqueceu do seu pijama?
— Sim. — Ele riu, uma gargalhada gostosa e contagiante.
— Não tem problema, amor. Venha! — Demi sentou-se ao lado dele e sorriu.

          Eles entraram em uma pequena discussão sobre que filme colocar, mas acabaram assistindo uma comédia apropriada para família. As crianças pegaram no sono na metade do filme, mas Joe e Demi assistiram juntos até o final. — Nada mal para o primeiro dia, não acha? — Ela comentou assim que se levantou.
— Sim! — Ele sorriu — Precisamos colocar as crianças na cama.
— Eu posso fazer isso.
— Mesmo?
— Você pode carregar Sabrina, mas deixa que dou conta dos pequenos. — Demi sorriu — Devo aproveitar enquanto posso, logo vou sair em turnê e não vou ter tanto tempo para fazer isso. — Joe olhou para ela, um olhar compreensível e carregado de algo mais que Demetria não soube distinguir! Joseph carregou Sabrina sem qualquer dificuldade para o quarto dela, ele colocou a garota na cama e puxou os cobertores para cobri-la. Ela mexeu-se um pouco na cama, provavelmente por estar um pouco fria, mas não acordou. Joe depositou um beijo na testa da filha e retirou-se silenciosamente do quarto. Demi passou por ele carregando Samuel, ele acompanhou a esposa e acabou entrando no quarto. Ele não poderia deixar de dar o beijo de boa noite neles, o fez rapidamente, deixou que Demi fizesse o mesmo e saiu para tomar seu banho.

          Joe adentrou em seu quarto já indo em direção ao banheiro, Demi o alcançou rapidamente e sorriu para ele. — Eu vou tomar banho, não demoro.
— Vou escovar meus dentes e ir pra cama. — Ela bocejou. Juntos eles adentraram no banheiro, Joe despiu-se enquanto ela escovava distraidamente. Ele colocou sua prótese de lado, segurou na barra fixa que tinha na parede e adentrou fechando o box atrás de si. A água quente fez Joseph arrepiar-se por causa do frio, ele fechou os olhos e permitiu-se relaxar por um tempinho. Não queria sentir novamente aquele turbilhão de emoções, aquela crise... as mentiras de Demi, não queria lidar de uma forma ruim com isso! Precisava de ajuda outra vez, sabia que sim. Ensaboou-se sem pressa, lavou bem o rosto e enxaguou-se. Ao sair ele já não encontrou Demi, ela deveria estar na cama. Secou-se, colocou sua prótese e saiu do banheiro vestindo um roupão de tecido grosso por causa do frio. Caminhou apressadamente até sua gaveta, estava bagunçada e ele riu baixinho. Demi havia passado por ali! Pegou o primeiro pijama que viu pela frente, vestiu-se e voltou ao banheiro para finalizar sua higiene.

          Ao retornar Joe viu que Demi já estava dormindo, ele deitou-se cuidadosamente na cama e pegou o celular para dar uma olhadinha. Havia muitas mensagens! Respondeu seus pais, os sogros e... Alycia também havia deixado uma mensagem.

Oi Joseph, tudo bem? Sinto muito por não estar ontem na associação, mas tive alguns problemas e precisei resolvê-los. Não se preocupe, cuidaremos de tudo enquanto estiver fora. O.k? Espero que tenha chegado bem com sua família. Beijos! xx

          Joseph sorriu e respondeu brevemente com um agradecimento. Ele guardou o celular no criado mudo, bocejou e ajeitou o travesseiro para apoiar melhor sua cabeça. Joe dormiu em questão de poucos segundos, mas seu sono tranquilo não durou mais do que uma hora! Ele acordou com um empurrão de Demi, ela estava de olhos fechados, mas parecia estar tendo um pesadelo nada agradável. Tentou acorda-la aos poucos, não queria assusta-la, mas não funcionou. — JOSEPH! — Ela gritou assim que acordou, estava ofegante e olhava para os lados procurando por ele. Demetria o abraçou com tanta força que Joe sentiu o calor do corpo dela, ela tremia e estava apavorada!
— Shhh... — Ele beijou-lhe a testa — Fica calma, foi apenas um pesadelo.
— Joseph... você... eu sinto muito! — Demi estava com os olhos marejados — Não queria te assustar.

— O que aconteceu?
— Eu não quero pensar. — Ela virou-se de costas e levantou-se caminhando de um lado para o outro, estava inquieta. Joseph levantou-se de forma tão brusca que por um breve momento esqueceu que precisava de uma prótese! Com o quase tombo dele, Demi aproximou-se e suspirou. — Não deveria assusta-lo, ainda mais depois de tudo o que passamos hoje.
— Eu já estou bem, Demi. Minha única preocupação no momento é você!

— Você se importa de me fazer um chá?
— Vai me contar o que viu naquele pesadelo? — Ela apenas assentiu — O.k, vamos lá. — Joe segurou uma das mãos dela e juntos eles desceram.

          Demetria sentou-se na bancada como uma criança assustada e encarrou suas próprias mãos. Joseph separou duas xícaras, colocou os saches de chá e acendeu o fogo para ferver a água. — Sou todo ouvidos.
— Você me deixava outra vez. — Joe sentiu o peso em cada uma das palavras, ele sentiu outro arrepio lhe subir pela espinha e encarou Demi. — Nós estávamos brigando, mas não sei bem o motivo. Eu te disse coisas horríveis, você também disse e logo fez suas malas. Disse que você não teria coragem, mas você me respondeu daquela mesma forma... aquelas malditas palavras "as pessoas mudam e promessas são quebradas!". — Ela riu em meio ao choro e Joe ficou imóvel por alguns minutos enquanto absorvia tudo. — Foi horrível! Eu corria atrás de você, mas quanto mais fazia isso, mais você se distanciava.
— Não precisa ficar assim tão assustada, Demi. — Joe sorriu — Eu nunca vou deixa-la, nunca! Ouviu bem? — Demi tentou sorrir para ele, mas não conseguiu. Ela enterrou a cabeça nas mãos e chorou! Joseph deixou que ela chorasse, terminou de preparar o chá e aproximou-se dela com uma xícara na mão.

— Obrigada. — Demi agradeceu baixinho e deu um longo gole chá que desceu fervendo por sua garganta. — Eu não deveria estar fazendo isso, você já teve o suficiente por hoje e estou só piorando as coisas!
— Não diga isso, está tudo bem. — Joe sentou-se em um dos banquinhos e bebericou seu chá. — Nós estamos juntos faz tanto tempo e desde o inicio tivemos problemas! Não vejo como isso pode ser diferente agora, Demi. — Ele fez uma pausa e olhou para ela. — Ir embora foi o maior erro que cometi, estava confuso e perdido. Foi uma decisão egoísta, mas sinceramente... não consigo imaginar que rumo nosso casamento teria levado, se não o trágico fim! Eu aprendi muito com isso, passei por muitas coisas e posso garantir que nunca pensaria em te deixar outra vez. — Joe segurou uma das mãos dela — Não precisa temer, acima de tudo somos melhores amigos. Certo? Apesar das dificuldades devemos confiar um no outro, você sabe que pode me dizer qualquer coisa que seja. Não sabe? — Demi apertou a mão dele, mas não disse nada. — Tem algo que queira me dizer?

 Eu te amo. — Não era exatamente o que ele queria ouvir ou era, mas Joe esperava que ela fosse lhe contar toda a verdade. Enquanto olhava para ela sentiu-se culpado por expor tantas coisas para Alycia, ele não deveria faze-la pagar ou ser cruel! Como adulto responsável que era, esposo e pai de família... lidaria com aquela situação com todo o amor que ela ainda merecia, apesar de tudo.
— Oh meu amor, não chora. — Joe secou as lágrimas dela com a manga do casaco e ouviu ela rir baixinho. — O que foi? — Ele perguntou sorrindo.
— Como nos velhos tempos. — Demi tocou o rosto dele com delicadeza, ela acariciou a bochecha dele com seu polegar e sorriu ao vê-lo fechar os olhos correspondendo ao carinho. — Você é tudo pra mim, Joe. — A voz dela saiu carregada de emoção e Joseph encostou sua testa na dela. Eles ficaram em silêncio durante alguns segundos, os olhos dele brilhavam e contempla-los de perto fez mais algumas lágrimas teimosas saltarem dos olhos dela. Bem devagar seus lábios se encontraram num beijo calma e apaixonado, Demi passou seus braços pelo pescoço e o trouxe para mais perto. O gosto do beijo foi um misto de chá doce e lágrimas! Ela sorriu, Joe afastou-se para admira-la... sua doce e amada Demi.

— Eu também te amo. — O sorriso de Demetria desapareceu dando lugar ao bocejo, ela estava com sono. — Venha, vamos tentar descansar.
— E se eu tiver outro pesadelo?
— Não vai acontecer.
— Quando eu estive aqui sozinha, eles foram... bem piores! — Demi desabafou espremendo os lábios por alguns segundos e encarrou um ponto qualquer na cozinha.

— Eu me preocupo tanto com você. — Joe ajudou Demi e ela desceu da bancada num pequeno salto.
— O que quer dizer com isso?
— Já pensou em remarcar suas sessões com um psicologo?
— Não estou ficando louca, se é isso o que está pensando! — Ela parou de repente e o encarrou. — É isso o que ainda pensa de mim?
— Nunca pensei isso de você, nunca! Não é uma questão de estar ou não com problemas, mas você precisa se cuidar. — Ele era tão verdadeiro que acabava deixando-a sem argumentos para debater. — Marque uma consulta e converse com ele.

— Você sabe como eu me sinto sobre isso. — Ela suspirou.
— Mas antes eu nem precisava falar nada, você simplesmente fazia isso e até sentia-se confortável. Não se lembra?
— Eu mudei, Joseph. — E como, isso ele não podia negar! — Simplesmente cansei de depender das pessoas, principalmente dos médicos! Será que é tão difícil aceitar isso? Aceitar que eu posso lidar com todos os meus demônios!

— Você precisa tomar cuidado com o fato de não querer depender das pessoas. — Demi arqueou uma das sobrancelhas e cruzou os braços. — Pode acabar afastando da sua vida pessoas que amam você e que só querem o seu bem!
— Joseph, eu acho...
— Entendi perfeitamente tudo o que você disse, o.k? — Ele passou uma das mãos pelos cabelos — Vamos voltar pra cama. — Joe estendeu uma das mãos para ela e Demi aceitou de bom grado segura-la.

          Os dois subiram em silêncio, deitaram-se e suspiraram juntos. — Me desculpa.
— Você não fez nada de errado ou fez?
— Eu disse sobre não querer depender das pessoas, mas isso não se aplica...
— Não é necessário dizer, eu sei.

— Eu sempre vou depender de você, como o ar que eu respiro... sempre vou depender de você!
— Não duvidei de suas palavras, fique em paz. — Joe beijou-lhe a testa — Vamos descansar. O.k? Amanhã teremos um dia repleto de brincadeiras.
— Isso é verdade. — Ela riu baixinho, mas ele permaneceu sério.
— Boa noite.
— Boa noite.

--

boa noite meninas, td bem com vocês?
estou bem e feliz por finalmente estar postando... os últimos dias foram bem corridos, mas sempre estarei compensando vocês. obrigada por serem tão pacientes! 
esse capítulo ficou grande, espero que tenham gostado dele 💗
responderei todos no próximo, o.k? 
beijos*

  

como eu me sinto depois de postar o capítulo

9 comentários:

  1. Joseph dramático como sempre. Quando ele vai contar a ela que ficou bebado com AQUELA CRIATURA?
    CONTINUA, TÁ PERFEITA ♡

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. eu não resisti, se tem uma coisa que gosto de escrever é drama! sdjsdj "AQUELA CRIATURA" agora eu ri bastante, sério. joe não vai contar, mas pode ser que alguém solte para ela... ~suspense~
      fico feliz que tenha gostado!

      Excluir
  2. como prometido, aqui estou eu \o
    eu não sei nem o que dizer, esse capítulo está um amorzinho.
    na parte "só um dos meus pés precisam de meia" EU DEI UM BERRO DAQUELES
    o casamento deles vai se estragar por falta de diálogo e isso é tão triste
    samanta é minha protegida, e meu filho samuel tão novo e tão sábio, sempre me enchendo de orgulho <3
    eu estou tão ansiosa pra chegar na parte "dias atuais" porque eu quero ver é treta, quero barraco...
    enfim, amei cada pedacinho, poste assim que der ok?
    bjs amore <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. na vida real eu sou uma daquelas pessoas que adora fazer uma piadinha e surgiu essa, confesso que ri bastante com isso também! sdjsdj
      eu já tenho toda essa parte planejada e sinto aqueles tremores por querer escrever logo essa parte, ai que ansiedade!
      "quero barraco" EU MESMA PENSANDO NESSE EXATO MOMENTO
      fico feliz que tenha gostado <3
      beijos

      Excluir
  3. Eu um dia vou morrer com os capítulos que você e a dona mile postam, já desisti de segurar o forninho e tirar a poeira vou ficar jogaga logo de vez

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. calma moça, respira fundo e fica firme ai sdjsdj
      você ainda tem muito o que ler por aqui <3
      fico feliz que tenha gostado!

      Excluir
  4. Oi, amorzinhoooo
    Olha só quem conseguiu botar a ficar em dia depois de tanto tempo!!!!!!!!!
    Nsnsms
    Aaaaa como eu tava com saudade de ler essa ficar!
    Eu a m e i o capítulo
    Quando eu penso q vai ficar tudo bem, tem sempre uma coisinha me dizendo bem lá no fundo q n vai...
    Aí, eh fogo, viu...
    Eles não conversam sobre o q realmente precisam conversar aí ficam nessa, o casamento tá indo cada vez mais pelos ares!
    Eu ainda n decidi se gosto ou n da Alycia, sabe? Uma hora eu acho q ela vai estragar tudo, outra hora já acho q n... eh esperar p ver, n eh mesmo
    Samantha eh um amorzinho msm viu
    Samuel tb, outro xuxuzinha sjsjsk tão meigo ele com medo de ir p Suíça... estamos todos nessa, Sam sjsjsk
    Aí aí, são tantas emoções... sjsjsk
    Tá tudo lindo, amorzinho
    Posta quando puder, Ok? Vou tentar acompanhar direitinho agora, fé no pai
    Bjsssssss ♡♡♡♡♡♡♡

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eh fic* ali em cima, sorry Jsnsm

      Excluir
    2. EU TÔ BEM FELIZ COM SEU COMENTÁRIO, SÉRIO! <3
      sinto que no começo deveria ter ido um pouco mais devagar, mas acabei soltando algumas coisas e tudo foi muito rápido. aos poucos fui adiando um pouco a treta, mas logo ela irá acontecer. demi está com problemas, ela não admite, mas lá no fundo ela está sim e o joe não quer forçar que ela diga nada... pq no passado tudo foi muito conturbado e consequentemente isso está afetando o casamento deles.
      ainda não descobri o propósito da alycia, mas logo vou ter que tomar uma decisão sdjsdj ai que lástima!
      samuel e samanta são os verdadeiros donos dessa fanfic ^^
      fico feliz que esteja gostando.
      vamos apontar pra fé e remar! o/
      beijos.

      Excluir