Eu nunca pensei que esse dia fosse chegar, mas ele chegou e sinto que preciso fazer isso. Não foi uma decisão fácil, fiquei tentando adiar o máximo possível, mas infelizmente não consegui. Começo pedindo desculpas por fazer isso sem aviso prévio, não era minha intenção, mas simplesmente não consigo! O bloqueio não vai embora e não é um bloqueio qualquer, estou passando por alguns problemas e estou em conflito comigo mesma. Sou uma garota de 19 anos e não faço ideia do que fazer da minha vida, nada acontece e por mais que eu tente, sempre acaba do mesmo jeito. No meio disso tudo surgem as cobranças das pessoas e por mais que elas tentem disfarçar, estão dizendo: "Garota, faça alguma coisa da sua vida!" Eu também me cobro, estou cansada de sentir como se estivesse fadada ao fracasso. Cansada de pensar na minha vida e sentir que tudo é uma grande conspiração para que eu quebre minha cara de novo e de novo. Cansada de decepcionar as pessoas! Eu não posso e nem quero decepcionar ninguém, por isso estou me afastando. Não quero que pensem que não me importo, eu me importo, mas não estou conseguindo escrever e eu amo fazer isso, amo mais do que qualquer outra coisa no mundo! Não quero fazer nada de qualquer jeito, nada menos do que perfeito, vocês merecem algo realmente bom. Quero que saibam que não é um hiatus permanente, vou tirar esse tempinho para estudar e correr atrás de algo para o futuro. Voltarei assim que for capaz de escrever algo novamente, quando sentir que esse fardo está menos pesado e... Acho que é isso, me desejem sorte! Amo muito vocês e arrisco dizer que já sinto saudade. Com amor, Jéssie.

04/07/2016

Broken Frame: Capítulo 40 • Wounds



UMA SEMANA DEPOIS
NY, 01:25 P.M

          Joseph cumpriu sua agenda da semana apresentando-se em três festivais, dando diversas entrevistas e atendendo aos seus amorosos fãs. Ele já ensaiava para o VMA's e estava preparava um medley apenas com voz mais piano; seguido de uma apresentação dançante de Fast Life. O lançamento do álbum nas plataformas digitais estava marcado para o dia da premiação. O pessoal da gravadora considerava uma boa oportunidade de obter um bom retorno nas vendas e elevar Joseph ao topo das paradas novamente. Paul conseguiu com muito custo tirar o filho de sua rotina de ensaios e agora eles seguiam juntos para uma determinada instituição. — Eu realmente não entendo o motivo de tanta pressa. — Ele comentou — Sei que todo ano visito hospitais ou instituições, mas tinha que ser justo agora?
— Alguma vez eu o forcei a tomar alguma decisão mal pensada?
— Não, nunca.
— Então, acredite que estamos indo lá por uma boa causa.
— O.k, eu acredito. — Joe deu-se por vencido.

— Kevin me ligou hoje.
— Faz um tempo que nós não conversamos.
— Ele virá essa semana e está ansioso para revê-lo.
— É uma semana corrida, mas vou arranjar tempo para vê-lo.
— Faça isso. — Paul concordou sorrindo e Joe retribuiu igualmente. 

— O que vamos ver lá?
— Não se preocupe, você já está familiarizado com isso. — O silencio instalou-se entre eles e Joseph suspirou pesadamente. 
— Você não está fazendo isso... está? — Ele perguntou num tom de duvida, mas a expressão de Paul entregou tudo. — PAI! — Joe exclamou indignado. 
— Se eu tivesse avisado, você não viria.
— É claro que não! O que está tentando fazer?
— Nada.
— Nada? Eu não acredito nisso!

— Assim como um dia você precisou de alguém, aquelas crianças também precisam.
— Crianças?
— Na grande maioria sim! Não precisa falar sobre o que aconteceu, apenas esteja ali e seja bom com eles. — Joe ficou um tempo em silêncio, ele pensou um pouco e assentiu. 
— Tudo bem, vamos fazer isso.
— O.k.

— Isso não parece ser o tipo de coisa que o senhor faz.
— Como assim?
— É algo que sempre fazia com Demi no decorrer do ano, então... ela tem algo haver com isso?
— Não sei do que está falando. — Ele riu baixinho. 
— Se você diz. — Joe riu também e deu de ombros. 

***

          Estar em um hospital depois de tantas más recordações, não era tão confortável. Joseph caminhava pelos corredores sentindo alguns calafrios estranhos, suas mãos tremiam e ele não conseguia entender direito o que lhe diziam. — Vamos entrar onde nossas crianças ficam, Sr. Carpenter. — Ele assentiu prontamente — A grande maioria são meninas e fãs de carteirinha das suas músicas. 
— O que aconteceu com elas?
— Algumas já nasceram assim, mas outras sofreram algum tipo de acidente. Aqui trabalhamos as emoções dessas crianças, nessa sala elas se expressão abertamente. O.k?
— Isso me parece algo novo. — Ele sorriu. 

— O projeto está para completar um ano. — Alicya sorriu orgulhosa — Mais alguma pergunta antes de entrarmos?
— Você vai monitorar tudo?
— Sim. — Ela assentiu — Mais uma coisa, devemos tirar os sapatos antes de entrar. 
— Eu não posso fazer isso. — Alicya arqueou uma das sobrancelhas — É algo pessoal, mas realmente não posso. 
— Sem problemas. Preparado? — Joe assentiu com um sorriso discreto nos lábios. 

          Joseph havia imaginado que aquelas crianças estariam, por algum razão, tristes. Mas ele estava redondamente enganado! Elas brincavam, jogavam jogos de tabuleiro e também liam livros. Quando Joe entrou todos pararam suas atividades e se voltaram para ele. Olhos brilharam, rostinhos iluminavam-se e todos sorriram para ele! Até mesmo os mais conservadores. — Bom dia crianças. 
— Bom dia, Sr. Carpenter. — Elas responderam educadamente em uníssono e Joe sorriu. 
— Como vão? — Todos tentaram falar ao mesmo tempo e Alycia balançou a cabeça rindo. 
— Crianças, crianças! — Ela conteve todas elas — Vamos fazer um grande círculo no chão, o.k? Assim cada um poderá se apresentar, cumprimentar e responder a pergunta que o Sr. Carpenter fez. Entenderam? — Todos concordaram e logo o grande circulo estava formado. Joseph observou cada um deles por algum tempinho, deveriam ter entre cinco ou dez anos. 

— Trabalhamos com grupos específicos. — Joe sorriu. 
— Quer dizer que tem mais?
— Adolescentes, adultos e alguns idosos.
— Oh entendo, farei mais perguntas depois. — Alycia assentiu e eles se sentaram no circulo também. 

          Havia vinte crianças naquela grande sala, todas incrivelmente encantadoras! Cada abraço e beijo que recebia deixava Joe ainda mais feliz. Ele sentia-se mais confortável e estava adorando conhecer cada uma delas. — Samanta é sua vez. — Alicya olhou para a garotinha. Ela levantou-se, ajeitou o vestido florido que usava e os óculos também. Aproximou-se de Joe devagar, estendeu uma das mão e esperou que ele pegasse. 
— É muito bom conhecer você. — O sorriso dele fez a garotinha ficar envergonhada — Quer compartilhar seu dia conosco? — Ela apenas negou com a cabeça. 
— Sam não é de muitas palavras.
— Não tem problema, nós ainda podemos nos divertir bastante. — Joe beijou as costas da mãozinha dela, Samanta sorriu e voltou para seu lugar. 

          Depois de muito conversarem, Joseph pode conhecer um pouquinho mais sobre cada um e também sobre como eles estavam superando suas limitações. Após o momento de partilha, ele participou de algumas brincadeiras e se divertiu bastante! Mas algo o intrigava e assim que eles tiveram uma pausa para o lanche, ele chamou Alicya e perguntou: — O que houve com Samanta?
— Ela é uma garotinha órfã.
— Órfã?
— Os pais morreram em um acidente.
— Nenhum parente apareceu para procura-la?
— Isso já faz dois anos. Conheci ela por acaso, conversei com as irmãs do orfanato e elas concordaram em deixa-la participar do nosso projeto. Pensei que ela fosse se enturmar, todos pensaram, mas ela pouco fala. Entende? Na verdade, eu não me lembro da ultima vez que ela falou.

— O que os médicos dizem?
— Dizem que Samanta ficou muito traumatizada e que no momento certo ela vai falar.
— Isso é muito triste.
— Ela tem cinco anos e nessas condições não consegue uma nova família. — Joe observou a garotinha brincar sozinha por um tempo e voltou-se para Alicya. 
— Posso tentar? — Ela sorriu e assentiu. 

          Todos tinham coisas ruins consigo, mas na hora da historinha era o momento em que aquelas crianças podiam sonhar com um mundo perfeito. O livrinho foi escolhido, um novo circulo formado e Joseph sentou-se ao lado de Samanta para ler aquela fabula. Ele mudou seu tom de voz, fez caretas e riu juntamente com as crianças. O som da risada da garotinha o deixou ainda mais encantado! Quando terminou, perguntou: — Vocês gostaram?
— Sim! — Responderam prontamente. 

— Eu não sei se isso estava na programação, mas tem um violão lá fora e vocês gostam de música. Certo?
— SIM! — Gritaram ainda mais animadas. 
— Crianças, por favor... temos pessoas em outras salas e nós não queremos incomodar. — Alicya arqueou uma das sobrancelhas e olhou para cada um. Ela entregou o violão para Joseph e recebeu um sorriso como agradecimento.
— Alguém se prontifica a escolher uma música? — Muitas mãozinhas erguidas — Mas terá que cantar junto comigo, hein. — Ele riu. 
— Turn Right— A vozinha soou baixa no meio de tanta agitação, mas ele pode ouvir e olhou imediatamente para ela. — Eu gosto dessa. — Ela ajeitou os óculos e piscou um pouco envergonhada. 
Alycia ficou sem palavras e pouco entendeu da situação, mas Samanta estava cantando! As outras crianças acompanharam e cantaram entusiasmadas por ouvirem a voz da colega pela primeira vez. Foi especial, Joseph sentiu isso. Era como cantar com Sabrina ou até mesmo estar na presença de Samuel, algo familiar. 

— Obrigado. — Joe trocou um aperto de mãos com ela quanto terminou de tocar. 
— Obrigada você. — Ela respondeu num tom de voz mais baixa — Já vai embora?
— JÁ VAI?! — O falatório das crianças começou e novamente Alycia interviu para acalmar os ânimos. 
— Não parece, mas estou aqui faz muito tempo. — Joe ficou de pé e riu. — Gostaria de dizer que me diverti muito com todos vocês e que voltarei em breve, muito breve mesmo. Eu ouvi alguns dizerem que fui uma grande surpresa, mas vocês sim me surpreenderam! Vocês são apenas crianças e já carregam tanto sob os outros, mesmo assim não falta motivos para vocês sorrirem. Vocês são incrivelmente fortes e não sentem medo de mostrar quem realmente são... isso é muito admirável. — Ele fez uma pausa para não chorar — Obrigado pela oportunidade maravilhosa, não sei mais o que dizer. — Joe riu novamente e recebeu um abraço coletivo; seguido de várias declarações.

          Após despedir-se, Joseph caminhou até a porta e sorriu ao ver que Samanta o esperava. — Você promete voltar?
— Prometo. — Ele agachou-se e sorriu. — Você promete continuar falando? Sua voz é muito bonita e gostei de ouvi-la cantar. 
— Eu prometo. — Joe abraçou a garota por algum tempinho e em seguida levantou-se para sair. 

— Você também pode ser o que quiser... — Ele parou já do lado de fora e virou-se para olha-la surpreso. — Sem ter medo do que vão pensar, o.k? 
— O.k. — Foi tudo o que ele conseguiu responder. 

05:00 P.M

          Paul foi buscar Joseph no horário que eles haviam combinado, mas ele não estava mais lá quando chegou. Ligou inúmeras vezes, mais o filho não atendeu. Preocupado ligou para Demetria e esperou impacientemente ela atender o telefone. — Boa tarde, Paul. 
— Eu disse que não seria bom!
— O que aconteceu?
— Ele sumiu!
— Como assim sumiu?
— Marcamos um horário para que eu viesse busca-lo, mas ele não está aqui. O que vamos fazer agora?
— Não faça nada.

— Nada?!
— Eu sei que está preocupado e não tiro sua razão pela gravidade do assunto, mas ele deve estar em algum lugar refletindo.
— A ideia principal era essa?
— Sim, não se preocupe. Ele vai aparecer, espero que algo tenha mudado nele e que isso seja bom.

***

          Joseph estava sentado no terraço de um prédio qualquer e refletia sobre seu dia com aquelas crianças. O sol estava se pondo e a vista era maravilhosa! Ele fechou os olhos sentindo a brisa leve soprar e acariciar seu rosto. Demi havia feito isso, sabia que sim. Seu pai não era o tipo de pessoa que tocava na ferida, apesar de querê-lo bem, não parecia ser uma atitude partida dele. Havia sido bom, mas não estava certo sobre revelar-se diante de tantas pessoas influentes. Muitas pessoas ficariam bravas com ele, conseguia ver nitidamente todos eles dando-lhe as costas! Principalmente aquelas pessoas mais próximas, alguns colegas de trabalho. Suportaria isso depois de tudo? Abriu os olhos novamente e permitiu-se finalmente chorar. Sentia-se como um covarde e ela sabia. As crianças foram escolhidas como uma forma de incentivo, ele sabia que sim. Tão pequenas e limitadas, mas ainda sim, esperançosas. Elas não se importavam em serem diferentes, sentiam orgulho por isso e conseguiam ser felizes! Lembrou das palavras da pequena Samanta e suspirou. O celular tocou novamente, ele olhou para o visor e viu o nome de seu pai brilhar novamente. — Alô. — Ele finalmente atendeu. 
— Céus, Joseph! Onde você está?

— Ela estará lá?
— Ela? Onde?
— Você sabe de quem estou falando, apenas responda. — Eles ficaram em silêncio durante um tempo. 
— Juro que não sei, mas acha mesmo que ela perderia um momento tão importante para você?

— Eu estou com tanto medo. — Joe desabafou — O que vou fazer se me odiarem, pai? 
— Eles não irão odiar você.
— Como pode ter tanta certeza?
— Eu não tenho. — Ele disse baixinho e suspirou. 
— Então, pare de pensar assim. O.k? Diga aonde você está e eu te levarei para casa.
— Eu vou ficar bem, não se preocupe.

— Joseph...
— Ligue para Demi e diga que é bom que tudo isso tenha um proposito, o.k? Eu sinto falta dela. — Ele desligou.


--

depois de tanto tempo com fanfics de apenas vinte capítulos... essa chegou a quarenta!
boa noite meninas, tudo bem com vocês? eu estou bem e muito feliz por estar finalmente ativa por aqui. gostaria de agradecer pela indicação ao FE AWARDS 2016 <3 eu nunca havia sido indicada a nada, então fiquei surpresa e agradecida pelo reconhecimento. sobre o capítulo: não sei o que dizer, apenas sentir. demi e seu grande plano para se redimir... gostaram? espero que sim. 
respostas aqui, aqui & aqui também.
por hoje é só, mas quem sabe eu volte amanhã? seria meu sonho!
* beijos *

 

ah e o capítulo tem continuação! esqueci de falar ali em cima sdjsdj

14 comentários:

  1. Aiii...Jessie esse capítulo mexeu muito comigo sabe eu fico imaginando pq isso acontece de verdade muitas crianças passam por isso a prova disso é a AACD. Você escolheu o momento perfeito pra Samanta falar e justo cantar com o Joe foi trapaça o receio e o medo do Joe em fazer isso é bem plausível e a preocupação do pai dele quando foi buscá-lo foi bem tensa e o que a Demi falou é verdade ele precisava pensar e ele descobriu q tem dedo dela e ainda disse q tava com saudade dela mal sabe o Joe q tem um propósito sim. Amei o capítulo e obrigado por me dar o seu Twitter

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. quando comecei a escreve-lo, não achei que estava ficando bom... sério. parece que o jogo virou para mim mesma, caramba sdjsdj
      eu estou pensando em como será a reação dele quando finalmente chegar o dia, ainda não sei ao certo, mas será uma outra surpresa.
      fico feliz que tenha gostado <3
      disponha, anjo.

      Excluir
  2. Socorro miga não some mais! Continua por favor

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. não vou sumir mais, prometo <3
      postarei assim que puder, hoje talvez...

      Excluir
  3. Como voce para assim? Quer morrer? Kkkkkk
    Cara, cada vez mais me encanto e me apaixono nessa fic. Amei demais demais demais o Joe e essa samanta, cut demais.
    Não vejo a hora da apresentação chegar.
    Parabéns pela indicação, obviamente que você merece.
    Beeijo Mila ;)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. sou um ser humano do bem, eu juro! hahaha
      eu também, sabia? o fato de estarmos quase que em reta final... me deixa deprê, sério. ç suspiro ç
      estamos nos aproximando desse capítulo, yepppp.
      obrigada, anjo.
      beijos ***

      Excluir
  4. Mais por favor *-*

    ResponderExcluir
  5. Eu desapareço por uns dias e você posta esses capítulos maravilhosos tive uma parada respiratória aqui, achei o capítulo muito emocionante Joseph com as crianças, ele vai adotar a Samanta né? Preciso saber, quero mais mais rsrs. bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. era pra mim ter postado esse antes, mas domingo é um dia muito corrido e acabou não dando tempo. vamos respirar, por favor! haha
      fico feliz que tenha gostado <3
      estou aprendendo a me segurar para não dar spoiler, então você terá que esperar... sou do bem, eu juro! sdjsdjsdj
      beijos ***

      Excluir
  6. Mais mais mais ♡

    ResponderExcluir
  7. Não pare aí, continua fofa por favor. Essa curiosidade pra premiacao esta matando a gente.
    Parabéns pela indicação, super merecida.
    Até o proximo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. vou continuar ainda hoje, eu acho...
      estou louca para escrever sobre essa premiação, mas antes tem alguns acontecimentos muito importantes e também vai ser legal! <3
      obrigada, amore.
      até ***

      Excluir